sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Perguntas que você não deve fazer numa entrevista de emprego

Fonte: UOL Empregos e Carreiras

Fazer perguntas durante uma entrevista de emprego é uma forma de obter mais informações sobre o trabalho e a empresa. Também é um modo de o candidato demonstrar interesse pela vaga.
"O entrevistado deve aproveitar o momento para tirar dúvidas sobre a vaga e entender melhor quais serão suas atribuições e responsabilidades, o que dará mais clareza sobre a decisão de continuar no processo seletivo ou não", afirma Janice Souza, consultora de recursos humanos da Luandre.  
Os entrevistadores costumam estar abertos a perguntas, mas nem sempre podem falar sobre tudo, diz o headhunter da Recrutando.com, Luiz Pagnez. "Algumas vezes o recrutador não pode fornecer muitas informações devido à confidencialidade da vaga, por exemplo".
Fazer perguntas é algo bem visto pelo entrevistador, já que a atitude demonstra interesse. Por outro lado, ficar à vontade demais pode ser perigoso.
"É preciso tomar cuidado quando se decide ter um papel mais ativo na entrevista, pois há perguntas que devem ser evitadas ou que o candidato deveria fazer em outra etapa do processo seletivo", diz Janice Souza.
A pedido do UOL Empregos e Carreiras, os especialistas elaboraram uma lista com 7 perguntas que você não deve fazer durante uma entrevista de emprego. Confira:
Perguntas que podem eliminar o candidato
  • Dreamstime
    O que essa empresa faz?
    Esse tipo de pergunta demonstra claramente que o candidato não se preparou para a entrevistaFoto: Dreamstime
  • Getty Images
    Você não leu o meu currículo?
    Muitas vezes, o recrutador pode fazer a mesma pergunta de várias formas diferentes para avaliar a confiança e o conhecimento do candidato em determinado assunto. Isso não significa que ele não leu o currículoFoto: Getty Images
  • Getty Images
    Não gosto de trabalhar sob pressão; como será a rotina?
    Quase todo profissional enfrenta algum tipo de pressão no seu dia a dia. Dizer que você não sabe trabalhar assim pode eliminá-lo do processo seletivoFoto: Getty Images
  • Getty Images
    Eventualmente, posso sair mais cedo ou chegar atrasado?
    Se a empresa tiver uma política de banco de horas ou horários flexíveis, é melhor esperar começar a trabalhar para descobrir. Esse tipo de pergunta pode passar uma impressão de desleixo para o recrutadorFoto: Getty Images
  • Getty Images
    Quando serei promovido?
    A empresa vai querer ver o que você traz de resultado antes de lhe dar uma promoção. Demonstrar essa preocupação já na entrevista pode passar a impressão de que você tem uma expectativa equivocada da empresaFoto: Getty Images
  • Thinkstock
    Tenho uma viagem marcada. Posso adiantar minhas férias?
    A empresa está contratando para resolver uma demanda provavelmente urgente. Se você tem compromissos, ela vai dar preferência para outros candidatos. Se tiver um compromisso agendado, deixe para comentar no final do processo e se realmente a empresa fizer uma propostaFoto: Thinkstock
  • Shutterstock
    Perguntas sobre salário também devem ser evitadas
    A entrevista é o primeiro contato e serve para o candidato e a empresa se conhecerem. É um namoro. Se a relação parecer boa para ambas as partes, a empresa fará uma proposta. Nesse momento será possível discutir sobre salárioFoto: Shutterstock

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

cinco erros que podem eliminar um candidato

Os responsáveis pelos processos seletivos são treinados para avaliar diversos aspectos do desempenho de um candidato - e um deslize, mesmo que aparentemente inocente, pode pôr tudo a perder. Veja atitudes recorrentes (e malvistas) nas salas de entrevistas, segundo especialistas em recrutamento. 

1 - Assim como a apresentação visual do candidato, a postura ao longo da entrevista também é avaliada. O sujeito que fica todo torto na cadeira, apoiando a cabeça nos braços, é o retrato do desânimo. 

2 - Se você não é um médico-cirurgião ou o presidente da República, atender o celular durante uma entrevista de emprego pode significar o fim da linha no processo seletivo. Se estiver aguardando uma ligação muito importante, avise o examinador ao chegar. E nada justifica um celular tocando música pop ou as insistentes notificações de apps de troca de mensagens. 

3 - A não ser que você seja o único funcionário na folha de pagamentos da sua microempresa, não banque a estrela das companhias para as quais trabalhou. Para a maioria das empresas, candidatos que usam a primeira pessoa para falar de realizações profissionais transmitem a imagem de gestores que não dividem o crédito de suas conquistas com a equipe. 

4 - Comum nas salas de entrevistas, a frase "busco estabilidade no emprego" não é bem vista pelos examinadores. Muitas vezes ela é interpretada como falta de interesse e apatia profissional: o entrevistador entende que o candidato quer se acomodar por ali e estacionar na carreira, o que não é bom para a empresa. 

5 - O profissional que fala mal dos antigos patrões, ainda que de maneira sutil e educada, perde pontos. Afinal, quem garante que, no futuro, o profissional não irá falar o mesmo da empresa em uma futura entrevista em outra companhia? 

Fontes: empresas de recrutamento e seleção Michael Page, Robert Half, Hays e ManpowerGroup Brasil

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Sonhar sobre o futuro não fará você atingir seus objetivos

Sonhar é a maneira de explorar futuras possibilidades mas que pode nos fazer esquecer os obstáculos


Todos já ouviram falar da lei da atração, popularizado por livros muitas vezes chamados de "autoajuda". Se você quer algo forte o suficiente, ele virá. Mas isso é só uma parte do sonhar.
A escritora Lindsay Lavine, em um recente artigo para o Fast Company, fala sobre os ensinamentos da professora de Psicologia na Universidade de Nova York, Gabriele Oettingen, que estuda motivação humana há mais de 20 anos.
“Sonhar é importante", diz Oettingen. "Sonhar é a maneira que temos de explorar futuras possibilidades. Para isso, sonhar é muito bom", completa. O que atrapalha é quando esquecemos os obstáculos e as tentações que aparecem ao longo do caminho.
Para isso Gabriele quebrou o processo de não se iludir com sonhos e mudar seus hábitos para alcançar sonhos em 4 passos. O "WOOP", sigla para Wish, Outcome, Obstacle e Plan (Desejo, Resultado, Obstáculo e Plano, em português) pode ser aplicado para todas as áreas da vida: de saúde ao trabalho, de relacionamentos à diversão.

1 - Identifique um desejo importante

Pergunte a si mesmo o que você deseja. Precisa ser algo desafiante, mas possível de alcançar em um determinado período de tempo. Por exemplo, se tornar mais confortável durante apresentações para um grande público.

2 - Pense no melhor resultado possível com seu objetivo

Mantendo-se no exemplo de falar em público, o resultado pode ser você passando a sua mensagem a um grande público e convencendo-os, ou então respondendo todas as dúvidas de forma maestral. "Deixe sua mente fluir e imagine como seria bom alcançar o seu objetivo", sugere Oettingen.

3 - Identifique os obstáculos em seu caminho

Pergunte a si mesmo: O que está no meu caminho? Você só consegue controlar a forma que você age. Você não conseguirá mudar seu chefe ou controlar a maneira que a companhia reage. Seguindo o exemplo da oratória, você pode falar rápido demais quando está nervoso ou tem medo de esquecer o que você precisa falar.

4 - Crie um plano para superar as dificuldades

"Pense nas ações que você pode tomar ao encarar o problema e use a fórmula 'se/então'", diz Oettingen. Por exemplo, "se eu ficar nervoso, então me lembrarei de todas as apresentações bem sucedidas que já dei", ou "se eu ficar com medo de esquecer os pontos principais, então passarei mais tempo preparando e memorizando-os".
Para iniciar a adesão ao "WOOP", é necessário tempo para focar. Pode ser durante o horário de almoço ou qualquer hora de pouco esforço mental. Você não pode pensar sobre esses 4 pontos enquanto responde e-mails ou está ajudando seus filhos com o dever de casa. Para entender melhor, visite o site de Oettingen.

administradores.com.br