domingo, 28 de março de 2010

A importância do remix de idéias


Por Lou Martins – iMasters
Nós somos fruto de um remix, isso é inegável. Metade do DNA do seu pai se juntou com metade do DNA da sua mãe e, booom, nasceu você. Ou seja, a recombinação faz parte da gente.
As idéias, num processo semelhante, também são fruto de recombinações (propositais ou não). Tudo que vemos, aprendemos, observamos é utilizado de alguma forma na construção de novas idéias. A originalidade está na forma com a qual esse remix de referências acontece (ou você realmente acredita que só porque você teve uma idéia, ela veio do nada e pertence só a você?).
Os ‘insumos’ utilizados na construção dessa idéia vieram de fora, do mundo externo. A constante recombinação de todas as coisas cria outras novas que, no futuro, serão referência para mais idéias. E esse ciclo é mais do que natural, faz parte da nossa essência criativa.
A possibilidade de refletirmos sobre as coisas permite que nossa imaginação ‘embaralhe’ um pouco o que estamos vendo, nos ajudando a enxergar algo novo a partir de uma coisa pré-existente. Um lobisomem, por exemplo, não existe na vida real, mas mesmo assim ele “existe”, nascido da recombinação de imagens pré-existentes (a imagem de “homem”, a imagem de “lobo” etc.).
Até o próprio ato de escrever é, essencialmente, um remix. Cada combinação de palavras forma uma frase que, quando mixadas, formam textos totalmente diferentes de todos já escritos. Usar a mesma palavra que alguém já usou não é cópia. Cópia é usar exatamente o mesmo texto, afinal não houve o processo de recombinação e sim apenas reprodução de algo que já existia.
Estamos vivendo numa era onde essa eterna recombinação das coisas, idéias, imagens etc. nos leva a questionar as nossas referências. O que é, afinal, referência? Por que considerar algo como referência? Por que o que é referência para um não é para outra pessoa?
Esses questionamentos fazem parte do que se chama de “crise da representação“, dentro do pós-modernismos (na visão do sociólogoZygmunt Bauman), onde basicamente há uma quebra de referências e o mundo se torna um lugar de símbolos, sinais, imagens e idéias desconexas que você pode recombinar e criar novas coisas a partir de todas as outras. Um lego basicamente, onde as referências só existem dentro da sua cabeça a partir das combinações voluntárias ou não que você faz.
O remix também é extremamente importante para a construção da cultura digital, formação de seus mitos, “tradições” etc. William Gibsonfoi genial ao dizer que “o digital é, essencialmente, um bando de 1 e 0 que estão ali para serem remixados”, ou seja, assim como nós e nossas idéias, o “mundo digital” também é fruto de recombinações.
A realidade é ‘remixável’ e não devemos achar isso um limitador da capacidade criativa. Pelo contrário: a criatividade se alimenta de todas essas peças de lego que estão soltas por aí, se apropria delas e cria a partir delas. Nada vem do nada e, por mais que você não conheça exatamente o que te levou a ter uma idéia, pode ter certeza que foi sua mente trabalhando em cima de tudo que você conhece

sexta-feira, 26 de março de 2010

CARGA TRIBUTÁRIA





As empresas que não são obrigadas a apurar seus lucros pelo sistema de lucro real podem se valer da opção pelo lucro presumido. Devem, para tanto, preencher dois requisitos básicos: o limite de faturamento e não se enquadrar em atividades impedidas. Dentre elas destacamos:
- os bancos comerciais e de investimentos
- as cooperativas, corretoras de títulos, previdência privada aberta
- que usufruam de benefícios fiscais
- de factoring
- que explorem compra, venda e loteamento de imóveis
- que tenham rendimentos provenientes do exterior


Para se enquadrar no limite de faturamento anual a empresa não pode faturar mais do que R$ 24.000.000,00 no ano, ou proporcionalmente R$ 2.000.000,00 mensais.


A opção pelo sistema é feita no ato de pagamento da primeira parcela do imposto de renda pessoa jurídica apurado no primeiro trimestre no ano calendário, ou, em caso de início de atividade, no primeiro trimestre de atividade. Deve-se ter, entretanto, certeza de que a opção é a melhor pois uma vez feito o pagamento a atitude é irreversível para todo o ano calendário.


Para uma opção segura, o empresário deve prever o percentual de lucro que espera ter em relação ao faturamento bruto, visto ser este a base para o cálculo do imposto. Não importa se ao final do ano calendário for apurado prejuízo ou lucro muito inferior ao previsto. Para isso publicamos abaixo a tabela de atividades.
   
Grupo
Tipos de atividade
I
Revenda para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural
II
Venda de mercadorias - Transporte de cargas - Serviços hospitalares - Atividades imobiliárias - Atividade Rural - Construção por empreitada com emprego de material próprio - Industrialização com material fornecido pelo encomendante - Outras atividades sem percentual específico.
III
Serviços de transporte (exceto cargas) - Serviços em geral cuja receita bruta anual seja inferior a R$ 120.000,00 (exceto hospitalares, de transporte, de profissão regulamentada)
IV
Serviços em geral (inclusive mão-de-obra para construção civil e profissão regulamentada) - Intermediação de negócios - Administração, locação ou cessão de bens móveis , imóveis e de direitos de qualquer natureza

É importante notar que quando uma empresa explorar mais de uma atividade, por exemplo, venda e serviço, será aplicado o percentual relativo a cada faturamento individualmente.


A tabela abaixo já mostra o percentual prático a ser aplicado sobre a receita para os vários tipos de atividades empresariais.

AtividadeLucro Presumido

(percentual sobre a receita Bruta)
IRPJ

(alíquota 15%)

(percentual prático sobre a receita)
CSLL

(percentual sobre a receita Bruta)
CSLL

(alíquota 9%)

(percentual prático sobre a receita)
I1,6%0,24%12%1,08%
II8%1,20%12%1,08%
III16%2,40%12%1,08%
IV32%4,80%12%1,08%
Quando houverem receitas financeiras e outros ganhos de capital deve-se aplicar a alíquota de 15% para o cálculo do Imposto de Renda (IRPJ) e de 9% para a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) sobre o valor bruto destas receitas. Mas não é só. Caso a empresa venha a apurar "lucro presumido" superior a R$ 60.000,00, no trimestre, deve ainda calcular o valor do Adicional de Imposto de Renda. Aplica-se então a alíquota de 10% sobre o excesso.
Para maior clareza, vamos supor uma construtora (faixa de 8% para o Lucro Presumido) que faturou R$ 4.500.000,00 no trimestre e teve rendimentos de aplicações financeiras de R$ 100.000,00.


Receita
Valor
Lucro Presumido
Parcela excedente
PIS
(0,65%)
COFINS
(3,0%)
CSLL
(ver acima)
IRPJ
(ver acima)
Adicional IRPJ (10%)
Receita bruta
4.500.000,00
360.000,00
300.000,00
29.250,00
135.000,00
48.600,00
54.000,00
30.000,00
Receita financeira
100.000,00
100.000,00
100.000,00
650,00
3.000,00
12.000,00
15.000,00
10.000,00
Total
4.600.000,00
460.000,00
400.000,00
29.900,00
138.000,00
60.600,00
69.000,00
40.000,00
Tanto a CSLL como o IRPJ, e eventual adicional, devem ser pagos trimestralmente, enquanto o PIS e o COFINS tem vencimento mensal (vide agenda de obrigações mensais).


A partir de 1998 não é mais permitido às empresas que optarem pelo lucro presumido a dedução de incentivos fiscais como o PAT - Programa de Alimentação do Trabalhador.


Em relação aos rendimentos dos sócios, além do pró-labore estabelecido, os lucros apurados poderão ser distribuídos sem qualquer tributação, seja no ato, seja na declaração de ajuste anual de pessoa física, onde serão incluídos como rendimentos isentos.

domingo, 21 de março de 2010

Software gratuito emite nota fiscal eletrônica na nuvem


Serviço tem como público-alvo pequenas e médias empresas que não têm área de TI nem como investir em uma solução de mercado.

Por EDILEUZA SOARES, DA COMPUTERWORLD


Mais três novos setores da economia serão obrigados a emitir a nota fiscal eletrônica (NF-e) a partir deste ano e como nem todas as empresas têm como comprar uma solução de mercado para atender a exigência do governo brasileiro, a produtora nacional de software Dzyon liberou um aplicativo grátis. Trata-se do NotaSoft baseado emclouding computing para processar o documento fiscal pela web.
A Dzyon é especializada em sistema de gestão empresarial (ERP) e também em NF-e. O NotaSoft que está sendo liberado sem custo é uma versão simplificada do software NFe Corporate que a empresa oferece para grandes organizações que processam muitas notas fiscais eletrônicas e não podem depender da internet ou da disponibilidade de conexão da Secretaria da Fazenda (Sefaz).
Segundo a CEO da Dzyon, Francine Nonaka, a companhia aproveitou a experiência que tinha em NF-e e criou uma solução com menos funcionalidades. “O NotaSoft é voltado, principalmente para pequenas e médias empresas que não têm dinheiro para investir em um software de mercado para a NF-e”, afirma a executiva. De acordo com ela, o aplicativo atende negócios de todos os portes e segmentos da economia. 
Para usá-lo, basta entrar na web, baixar alguns componentes e preencher os campos da nota fiscal a ser gerada. Depois de pronto, o sistema envia o documento para Secretaria da Fazenda (Sefaz) fazer a validação. Em seguida, dispara um e-mail para a emitente e comprador com autorização do órgão para o despacho da mercadoria, além da NF-e anexada.
A partir daí a empresa pode gerar o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe), usado para transporte da mercadoria. A Sefaz oferece um software gratuito para emissão da NF-e. Mas segundo, Francine, não tem a funcionalidade de envio do arquivo com validação por e-mail, o que ela considera um diferencial do NotaSoft.
O NotaSoft permite ainda digitação ou importação de dados da nota fiscal a partir de vários layouts de arquivos, inclusive de ERPs. A aplicação, segundo Francine, gerencia todos os processos legais, desde a assinatura digital do arquivo até a transmissão para a Sefaz e o retorno do protocolo de autorização ou rejeição.
O aplicativo não terá limites de uso em termos de número de NFes geradas. A expectativa da Dzyoné atrair dez mil usuários com a solução grátis até o final do ano. Ao oferecer o software, Francine espera atrair futuros clientes seu pacote de ERP.
Armazenamento da NF-e
Pela lei brasileira, as companhias são obrigadas a guardar a nota fiscal por cinco anos. Para as empresas que vão usar o NotaSoft e não têm como guardar esses arquivos, a Dzyon oferecerá um serviço de hospedagem em seu data center. O preço do pacote para armazenamento de 100 NF-e durante seis anos é de 99 reais.
Francine afirma que esse serviço é opcional e que os usuários do NotaSoft têm liberdade para decidir onde vão guardar suas notas eletrônicas. O software grátis para NF-e pode ser acessado pelo site da Dzyon.

terça-feira, 9 de março de 2010

Maioria das empresas falha na capacitação de profissionais


Apesar do desenvolvimento das habilidades ser considerado fundamental para direcionar os resultados de negócio, 36% dos executivos consideram que as políticas falham por resistência a mudanças, indica pesquisa da consultoria McKinsey.

Por REDAÇÃO CIO BRASIL


Uma das três principais preocupações das empresas hoje é desenvolver as habilidades necessárias dos profissionais para que a organização atinja os resultados esperados de negócio, segundo 60% dos gestores consultados em um recente estudo global da consultoria McKinsey – que ouviu 1.440 executivos em todo o mundo. Apesar disso, só 25% dos entrevistados consideram que as políticas de capacitação de suas empresas pode ser considerada ‘extremamente ou muito eficiente’ para preparar as equipes a melhorar os resultados efetivos.
Alguns fatores justificam esse descompasso entre as expectativas das organizações e a dificuldade de capacitar os profissionais. Para 36% dos entrevistados, essa situação está diretamente relacionada à resistência das pessoas a mudanças, enquanto 35% apontaram para a falta de recursos e 34% citaram que não existe clareza em relação à visão e aos objetivos das organizações. Além disso, 30% afirmaram que os processos ou metodologias de treinamento são inconsistentes.
Além disso, a capacidade de liderança foi considerada pela maioria dos participantes como a habilidade que mais contribui para a performance da organização. Mas só 35% das empresas estão focadas nesse tema e apenas 36% dos entrevistados consideram que suas companhias têm hoje políticas para desenvolvimento de líderes melhores do que a dos concorrentes.
Outra conclusão da McKinsey é que 60% das empresas ainda mantêm o aprendizado prático, ou seja, aquele no qual o funcionário aprende no dia-a-dia como a principal forma de ensinar os profissionais a executar suas funções. E não mais de um terço delas utiliza outra metodologia para treinamento e capacitação das equipes de forma intensiva.
Avaliação de resultados
As companhias também erram na hora de medir o impacto do treinamento para a performance de negócios. Só 50% dos entrevistados disseram que suas empresas continuam focadas apenas no feedback e, dessas, 30% não utilizam qualquer outra métrica para a análise. Somado a isso, um terço dos respondentes não conhece o retorno sobre o investimento das ações de treinamento das companhias, em boa parte por conta do fato de suas próprias organizações ignorarem os resultados efetivos das ações.


Por fim, a McKinsey aponta que os executivos atuantes em companhias nas quais os treinamentos são citados como menos efetivos tendem a investir mais na capacitação dos líderes e menos nas equipes operacionais. Em contraste, as organizações com resultados mais efetivos são aquelas que investem boa parte dos recursos em capacitar os profissionais que estão em cargos mais baixos

segunda-feira, 8 de março de 2010

Alíquota Efetiva do IRPF

IRPF. Planilha Calcula a alíquota efetiva do imposto que será pago. Veja em www.esron.com.br/excel

sexta-feira, 5 de março de 2010

Mudar é preciso. Mas por que é tão difícil?


Por Rodrigo Acerbi
"Como o Gerenciamento de Mudanças auxilia no controle das mudanças tecnológicas."

Ninguém nunca falou que mudar algo é fácil, muito pelo contrário: mudar qualquer coisa, independente do impacto ou risco, pode se tornar um desafio dificílimo. Como disse Thomas Woodrow Wilson, 28º presidente dos Estados Unidos: "se você quer fazer inimigos, tente mudar algo".

A palavra Mudança tem um significado bem simples. De acordo com o dicionário Aurélio é o "ato ou efeito de mudar. / Alteração, modificação". Apesar dessa simplicidade, se pensarmos na prática ao invés da teoria, toda esta facilidade cai por água abaixo.
O ambiente coorporativo precisa se atualizar constantemente para poder enfrentar todos os desafios diários e não ficar para trás no mercado tecnológico. Todas estas alterações, por mais simples que sejam, precisam de um controle e uma análise rigorosa para poder surtir os efeitos desejados, e não os indesejados. E como podemos fazer isto de uma forma organizada?
O processo de Gerenciamento de Mudança foi criado com o exato intuito de gerenciar todas as mudanças que possam, ou não, causar impacto nos serviços prestados por TI através de um processo único e centralizado de validação, aprovação, programação e controle da mudança, para assegurar que toda a infraestrutura de TI permaneça alinhada aos requisitos do negócio mitigando todos os riscos possíveis. Porém, mesmo com toda essa explicação e detalhamento, as empresas continuam ríspidas a qualquer mudança, seja ela tecnológica ou processual. Então nos perguntamos ? Porque mudar é tão difícil?
Lidar com novas tecnologias, máquinas, processos, entre outros apetrechos de TI é muito simples para profissionais como nós, porém lidar com as pessoas que participam destes processos e a cultura particular de cada companhia é o que dificulta qualquer mudança no ambiente coorporativo. Para evitarmos confrontos sobre qualquer mudança, devemos ter um foco muito grande na comunicação e explicação de todos os benefícios que ela irá trazer para a área como um todo.

Hoje em dia, as pessoas não toleram qualquer mudança que aconteça em seu setor ou na empresa. O comodismo é o que mais fica visível nessas horas, pois ninguém quer mudar algo que acha fácil de realizar ou solicitar. Podemos citar como exemplo a implantação de um novo processo de mudança; não é muito mais cômodo a pessoa solicitar qualquer mudança (correção, projetos, novas implantações, etc.) diretamente com o responsável da área sem ter que passar por uma análise detalhada e um comitê para explicar o real motivo desta mudança? Por conta disto, quando tentamos mudar algo passamos por grandes obstáculos. O mesmo acontece quando a empresa tem uma cultura inapropriada para a constante atualização do mercado tecnológico, neste caso devemos buscar o apoio da gerencia das principais áreas da empresa, pois com isto, iremos ter um importante apoio em qualquer mudança que seja positiva para a estrutura da companhia.

Para minimizarmos qualquer conflito com pessoas e cultura a melhor coisa para fazer é comunicar tudo que será feito com clareza, explicando todos os detalhes quantas vezes forem necessárias e deixando claro todos os benefícios que virá para o trabalho diário de todos. Esta comunicação deve ser feita com muita cautela para não ocasionar diferentes opiniões. Para evitarmos isto, devemos seguir cinco dicas fundamentais para uma boa comunicação, são elas:
  • Foco
  • Clareza
  • Desenvoltura
  • Objetividade
  • Entendimento
Todas as opções acima são habilidades que você deve possuir para fazer sua comunicação ser a melhor possível quando você for "vender" a sua mudança, seja ela qual for. Você deve manter o foco no que realmente será mudado mostrando clareza sobre o que realmente será feito. No momento de explicar e ser questionado você deve ter uma desenvoltura suficiente para fazer o questionador se sentir confortável com a sua resposta e fazer com que todo o entendimento da mudança ocorra com a objetividade necessária.
Devemos lembrar que a palavra chave para conseguirmos realizar mudanças no ambiente de tecnologia com o intuito de termos apenas aliados ao invés de inimigos é a COMUNICAÇÂO.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Excelência operacional não vem apenas com lucro


Sua empresa é um Jaguar ou um Fusca? Para atingir eficiência, deixe um pouco de lado os números de ROI e procure os benefícios indiretos ou subjetivos que estejam atrelados aos seus projetos.

Por Ailtom Nascimento
Excelência se alcança por meio de um longo e contínuo processo que requer, sobretudo, comprometimento. Mais do que uma aspiração, excelência é o ponto para o qual nossos passos se dirigem.
“Só assim seremos sempre líderes e nunca seguidores” – essa afirmação do visionário Ratan Tata, chairman do grupo que leva seu sobrenome, reforça a ideia de que para aportar com êxito no destino é fundamental traçar muito bem as rotas a serem seguidas.
Para implementar técnicas gerenciais que tornam as operações mais eficientes, é necessário avaliar, em primeiro lugar, qual o posicionamento atual da empresa. E de preferência encomendar essa avaliação de fora da corporação para que o rigor e a imparcialidade sejam preservados.
Após obter um retrato fiel dos processos em andamento e mapear o modo como os vários stakeholders se relacionam, provavelmente será necessário aprimorar a estratégia da companhia de modo a direcioná-la ao preenchimento das lacunas constatadas.
Saber se a organização que você dirige é um Jaguar ou um Jipe é essencial para escolher o caminho que lhe proporcionará mais vantagens competitivas. Importar processos da matriz ou seguir exemplos de sucesso no mercadonem sempre atendem à demanda da sua empresa e podem, ao contrário, gerar ainda mais entraves.
Costumo dizer que metade da batalha está ganha se for escolhido um modelo de processo que consiga se moldar perfeitamente às peculiaridades do cliente. E de acordo com a abrangência das melhorias que se pretende promover na empresa, investir nos canais de comunicação interna pode ser vital, uma vez que os profissionais precisam estar envolvidos no processo e não apenas submetidos a ele.
Justamente porque a eficiência operacional não é o objetivo estratégico da empresa e sim o meio pelo qual este será alcançado, ela requer monitoramento constante. Acompanhar os processos de perto é a forma mais eficiente de mitigar riscos e garantir agilidade na resolução dos problemas.
Com periodicidade pré-definida é importante checar se as prioridades estabelecidas ainda são válidas ou se é necessário reavaliar as metas, para melhor adequá-las às mudanças de cenário.
Ao analisar os resultados obtidos com a implementação desse tipo de projeto, muitas empresas recorrem exclusivamente à equação “investimento x ROI” e nem sempre ela é a mais precisa.
No momento imediatamente posterior à implantação de um projeto de eficiência operacional, é essencial considerar os soft benefits, benefícios que não podem ser traduzidos diretamente em aumento do faturamento, mas que por automatizarem processos ou aumentarem a satisfação dos clientes podem gerar resultados de negócio no médio prazo.
Manter positiva a balança comercial corporativa (alta produtividade com baixo custo) é uma jornada sem fim.
Muitas empresas não dão o primeiro passo, pois não conseguem enxergar o final da estrada, mas se a jornada rumo à melhoria de processos é planejada com critério, o custo inicial e o investimento na capacitação dosprofissionais serão seguramente recompensados.
A persistência é o caminho para se atingir tudo aquilo que vale a pena. Como os indianos costumam dizer: “é preciso trabalhar para reduzir o trabalho”.[Webinsider]

terça-feira, 2 de março de 2010

Foco no problema ou na solução ?


Um paciente vai num consultório e diz pro psiquiatra:

- Toda vez que estou na cama, acho que tem alguém embaixo. Aí eu vou embaixo da cama e acho que tem alguém em cima. Pra baixo, pra cima, pra baixo, pra cima. Estou ficando maluco!

- Deixe-me tratar de você durante dois anos. Venha três vezes por semana e eu curo este problema - diz o psiquiatra.

- E quanto o senhor cobra? - pergunta o paciente.

- R$ 120,00 por sessão - responde o psiquiatra.

- Bem, eu vou pensar - conclui o sujeito.

Passados seis meses, eles se encontram na rua.

- Por que você não me procurou mais? - pergunta o psiquiatra.

- A 120 paus a consulta, três vezes por semana, dois anos = R$ 37.440,00. Ia ficar caro demais, ai um sujeito num bar me curou por 10 reais.

- Ah é? Como? - pergunta o psiquiatra.

O sujeito responde:

- Por R$ 10,00 ele cortou os pés da cama ...

Muitas vezes o problema é sério, mas a solução pode ser muito simples ...

HÁ GRANDE DIFERENÇA ENTRE FOCO NO PROBLEMA E FOCO NA SOLUÇÃO ...