segunda-feira, 21 de julho de 2014

Confira 5 dicas para elaborar um bom currículo e ganhar destaque na seleção profissional


O que colocar no currículo? O que vem primeiro? Qual é a melhor forma de estruturar as informações? As respostas das questões que causam dor de cabeça em muitos podem ser encontradas neste guia.


"Um currículo de qualidade ajuda o selecionador a identificar o profissional como um candidato com potencial para preencher a vaga”, afirma Abrileri, presidente da Curriculum
Na hora de elaborar um currículo muitos profissionais perdem a cabeça com tantos modos e informações. É preciso cautela e orientação para conseguir fazer um currículo bom, simples e útil, que chame à atenção do contratante, e não que seja o motivo de dispensa nos processos seletivos. Mas, como fazer um bom currículo? Qual é a melhor forma de estruturar as informações?
Curriculum, que atua no anúncio de vagas de empregos na internet, relacionou 5 fatores essenciais para elaborar esse documento tão importante no recrutamento de profissionais.

1º – Missão do currículo

O currículo tem uma única missão: conquistar uma entrevista presencial.
Sendo assim, é importante que o candidato leve em consideração três pontos:
1) Fazer com que o currículo participe do processo;
2) Prender a atenção do selecionador para que a leitura dele seja completa;
3) Despertar o interesse do selecionador para que ele o chame para uma entrevista.

Primeiro: O selecionador precisa entender que o currículo se encaixa com o cargo que ele procura e isso acontecerá através do “Objetivo Profissional”. Por isso, este é considerado uma das principais informações do currículo, por isso ele deve estar sempre sozinho e em destaque. Por exemplo, se o selecionador estiver procurando um Gerente Comercial, ele dará bastante atenção aos currículos que apresentarem o objetivo grafado como “Gerente Comercial”, menos atenção aos currículos que estiverem com objetivo de “Consultor Comercial” e menos atenção ainda aos currículos que estiverem como “Vendedor” ou “Área Comercial”. Nesse caso citado, o objetivo profissional incluso poderá fazer com que ele participe do processo ou não.
Segundo: É preciso fazer com que o selecionador leia o currículo inteiro. Porém, sempre há muitos currículos para ler, o que exige uma seleção muito rígida do selecionador. É comum os profissionais de RH pararem de ler o currículo no meio por acharem que o perfil não é aderente ou que o profissional não reúne as qualificações desejadas. Por isso, depois que o selecionador compreender que o currículo está inicialmente aderente à vaga aberta, o desejo do candidato é que ele seja inteiramente lido e, para isso, o currículo deve ser construído de forma que isso aconteça.
Terceiro: Após a leitura do currículo inteiro, o próximo objetivo é fazer com que ele desperte o interesse do selecionador para conhecer melhor o profissional,  o que é feito através de uma entrevista presencial, pois será nesta entrevista que o candidato conquistará seu emprego. E isso acontecerá se ele tiver conseguido transmitir informações relevantes para o selecionador.
“Com essas informações em mente, o candidato deverá desenvolver um currículo mais eficaz, aumentando assim suas chances de ser chamado para uma entrevista”, explica Marcelo Abrileri, presidente da Curriculum.

2º – Identificação e cargo desejado ou área pretendida

Inicie o seu currículo com sua identificação e dados básicos na seguinte ordem: nome, endereço, idade, nacionalidade, estado civil, telefones e e-mails para contato. Tenha muito cuidado com o excesso de informações e certifique-se sempre que todos os dados estejam corretos. Não é recomendável incluir no currículo números de documentos como RG ou CPF, por exemplo. Até mesmo a foto pode ser dispensada, salvo exceções, como para modelos fotográficos, por exemplo, quando o contratante exigir uma foto.
Após isso, coloque o cargo desejado centralizado e em destaque, como se este título separasse os dados de contato do conteúdo do currículo. O melhor é utilizar o cargo pretendido, mas caso o profissional prefira, ele pode colocar a área (embora não seja o mais indicado).

3º – Formação e experiência profissional: o que vem primeiro?

O profissional deve exibir seus pontos mais fortes e relevantes sempre em primeiro lugar. Por exemplo, se você tem pouca experiência (ou nenhuma), mas têm uma boa formação, é melhor exibir a formação em primeiro lugar. Porém, caso ele já tenha se formado há muito tempo e agora tem muita experiência no cargo desejado, a experiência deve vir em primeiro lugar.
As informações devem ser claras e precisas, evitando textos muito extensos para explicar, por exemplo, as atividades desempenhadas em determinada empresa. No currículo, apenas o que for importante deve ser explicado. O recrutador tem pouco tempo para ler os currículos. Por isso, priorize a qualidade em vez da quantidade de informações.

4º – Idiomas, cursos complementares, informática e Internet

Imaginando todas estas informações como se fosse um único bloco, com subdivisões internas, o profissional deve agrupar as informações, lembrando de colocá-las sempre em ordem de relevância. O que for mais relevante sempre vem primeiro.
Se você busca por um cargo na área de informática e/ou Internet, esta informação deve vir primeiro, por exemplo. Se o idioma é bastante significativo para o cargo a ser assumido, o profissional deve colocar primeiro seu conhecimento no idioma, e assim por diante.
Informe o nível de conhecimento para cada idioma; idem para conhecimentos de software, linguagens de programação ou qualquer outra ferramenta, máquina ou instrumento que souber utilizar e que sejam relevantes para atingir o objetivo profissional. Informações sobre cursos complementares realizados devem incluir o nome da instituição, carga horária e a data de conclusão. Se o profissional tiver experiências internacionais ou viagens de intercâmbio, elas podem ser um bom diferencial aos olhos dos selecionadores, além de reforçar o conhecimento nos idiomas informados.

5º – Formatação e revisão

O tamanho das fontes do texto e a formatação são detalhes que podem ser determinantes no momento em que o currículo for analisado. A Arial e a Times são as opções mais recomendadas. Além disso, revise sempre o texto para ter certeza de que não tem erros de português. Tal falha pode excluir o candidato do processo seletivo.
“Percebemos que há muitos candidatos que não prestam atenção nesses detalhes decisivos no momento de buscar oportunidades de entrevistas. Um currículo de qualidade ajuda o selecionador a identificar o profissional como um candidato com potencial para preencher a vaga”, afirma Abrileri.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

3 planilhas para quem quer ser promovido

Baixe planilhas para organizar atividades e resolver problemas e mostre ao seu chefe que está preparado para dar o próximo passo na carreira

Planilha de dados
São Paulo – O segredo para quem quer ser promovido é agir de acordo com o cargo almejado desde já. Mas, como demonstrar que sua capacidade vai além das suas obrigações de hoje?
Com organização e planejamento, diz Daniel Pereira, presidente da Luz Planilhas Empresariais, é, sim, possível provar ao chefe que você está pronto para dar o próximo passo na carreira.
Mas tentar se mostrar um potencial gestor sem as ferramentas e recursos disponíveis a quem ocupa, de fato, a posição pretendida deixa tudo mais difícil, certo?
Por isso, Exame.com reuniu três planilhas, criadas pela equipe da Luz que ajudam a organizar praticamente todo tipo de atividade dentro de uma empresa. “Planilha ainda é a ferramenta de gestão mais utilizada nas empresas”, diz Pereira.
De acordo com ele, recente pesquisa, com mais de 200 profissionais, mostrou que 72% citaram o uso de planilhas para gestão empresarial. Confira então estas três opções de planilhas para download e veja para que servem cada uma delas:
1. Plano de Ação 5W2H
Link para download: Plano de Ação 5W2h

“Esta planilha geralmente é usada por gerentes e ajuda a organizar tarefas e desafios respondendo às perguntas: quem, quando; onde; o que; por que; quanto e como”, explica Pereira.

O nome da planilha, aliás, é derivado das letras iniciais destas mesmas perguntas, só que em inglês (who, when, where, what, why, how much, how - 5W2H, portanto). Assim, cada atividade é organizada a partir das respostas às questões.
2. Diagrama de Ishikawa (causa e efeito)
Link para Download: Diagrama de Ishikawa
Também chamada de Diagrama de Espinha de Peixe, esta planilha é um método indicado para resolver problemas de forma estratégica, tratando os desafios de forma sistemática.
“A planilha ajuda a encontrar solução para problemas de forma estruturada, pensando em termos de causa e efeito”, diz Pereira.
3. Planilha para brainstorming
Link para Download: planilha para brainstorming
Para uma sessão de brainstorming funcionar, várias etapas devem ser respeitadas, segundo os especialistas.
E todas elas podem ser gerenciadas por meio desta planilha. Desde metodologia, regras, critérios, registro das ideias e até o ranking com as melhores propostas da sessão.
Size_80_camila-pati

quinta-feira, 10 de julho de 2014

9 passos para se recuperar de um negócio fracassado

Saiba como dar a volta por cima e criar uma nova empresa


fracasso_erro_estresse (Foto: Thinkstock)
A cultura sobre o fracasso varia em cada país. Enquanto nos Estados Unidos, por exemplo, fechar uma empresa é sinal de orgulho e algo inspirador –  afinal, a pessoa tentou, aprendeu e agora pode partir para uma nova jornada —, no Brasil, o fracasso é sinônimo para fim de uma carreira.
Não importa quanto uma derrota pode levar um empreendedor para baixo e destruir seus sonhos, é importante avaliar a situação e voltar para a luta. O site da revista Inc. listou alguns passos simples para que você seguir e se livrar da negatividade relacionada ao fracasso.
1. Pare de reclamar
Sim, você teve que fechar sua empresa. Sim, seu projeto deu errado. Mas cada minuto que você passa apenas reclamando é um minuto que você poderia usar para colocar em prática uma nova ideia.

2. Descubra a sua culpa no cartório
Você vai querer achar todas as razões externas que fizeram sua empresa fracassar, mas a verdade é que, independentemente delas, você não foi um empreendedor bom o suficiente para contorná-las – ou mesmo prevê-las. Tome tempo para analisar quais foram suas falhas para não repeti-las na próxima tentativa.

3. Perdoe-se
Depois de reconhecer seus erros, tome tempo também para se perdoar. Você não terá muita sorte em uma nova tentativa se continuar se martirizando pelas suas falhas.

4. Celebre seu fracasso
Talvez essa seja a parte mais difícil: você fracassou porque estava tentando algo inovador, algo que ninguém tinha tentando – ou até mesmo algo que você nunca tinha tentado. O importante é perceber que não há garantia de vitória e o fracasso é apenas uma das possíveis consequências de se arriscar.

5. Repense
Analise sua derrota e se questione: o que você fez que funcionou? O que não deu certo? O que você poderia ou deveria ter feito diferente? O que você perdeu de vista completamente? Melhor começar o próximo projeto com todo esse conhecimento extra, não?

6. Crie um novo compromisso
Agora que você se perdoou, reuniu o conhecimento necessário para entender o que deu errado, reúna energia suficiente para se comprometer com sua próxima jornada. Ela não pode parecer como um plano B ou prêmio de consolação, ela precisa receber sua energia integral.

7. Crie um novo plano
Pode parecer que você está fazendo tudo de novo –  e está —, mas você precisa fazer um plano para saber como agir e atingir seu objetivo. Esse passo também te empolgará um pouco mais para alcançar o sucesso.

8. Avaliação
Agora que você tem um plano e informações, peça ajuda de alguém com experiência para avaliar tudo e te aconselhar sobre mudanças necessárias ou possíveis percalços que você poderá enfrentar.

9. Execute!
Coloque seu plano em prática. E sempre que a energia negativa do seu fracasso anterior começar a voltar e tentar te cansar, a use para realizar mais pelo seu novo projeto.

Fonte: PEGN 

10 Coisas que Devem Ficar de Fora do Currículo

Por Alberto Grimm
Um equívoco é achar que qualificação é sinônimo de complicação: Seja simples.
Aqui estão 10 Coisas que deverão ser deixadas de fora do seu currículo, assim como o porquê de cada uma delas.
Todo mundo sabe que na maioria das situações, o menos é sempre mais.
Candidatos a emprego dão um tiro no próprio pé quando enviam seus Currículos recheados com todo tipo de informações. São adeptos do mito de que Currículo recheado, volumoso, causa boa impressão.
Isso quer dizer, muitas páginas, longos textos que retratam toda vida pessoal do pretendente à vaga, letras pequenas para caber tudo, e tudo isso representa uma tentativa de chamar a atenção do empregador.
O Efeito é exatamente o contrário. Empregadores não têm tempo nem paciência para navegar através de longos e cansativos textos, que mais impacientam que informam. Lembre-se de uma coisa, existem dezenas de Currículos sobre sua mesa.
A mesma regra vale para as Falsas Informações, qualificações e referências inventadas para impressionar. E impressionam, mas de forma negativa.
Por isso, se preocupe apenas em informar o básico, os itens que de fato interessam para sua avaliação, nada mais que isso, e terá feito uma excelente primeira apresentação.
A Seguir, as 10 Coisas que devem ficar de fora, e o respectivo motivo:

1. Sua Foto
A menos que a vaga exija claramente uma foto sua - e bem poucos empregadores exigem isso atualmente, nem sei se um dia exigiram -, não inclua esse item, que na maioria das vezes é colocado apenas para enfeitar, porque sua aparência é irrelevante ao seu potencial empregador.
O candidato que está seguro de si, não precisa mostrar o rosto antes da hora, e é isso que também acham a maioria dos recrutadores.

2. Hobbies e Áreas de Interesse
A menos que seus interesses e passatempos sejam referências claras para reforçar as qualificações exigidas para o preechimento da vaga, não há motivo algum para você mencioná-los no CV.
Em geral, se o desejar, você até pode fazer alguma referência, dentre outros interesses, comentando sobre passatempos e seu lado profissional, mas isso em sua carta formal de apresentação.
Melhor ainda, guarde esse tipo de informação para quando, durante a entrevista, você for questionado sobre o que gosta de fazer fora do ambiente de trabalho, durante seus momentos de folga.

3. Erros de Ortografia e Gramaticais
A maioria dos empregadores assumem que, se você está enviando um CV recheado de erros gramaticais e ortográficos, provavelmente a mesma falta de cuidado você deve ter quado eventualmente estiver exercendo uma função dentro da empresa. Por isso, esse tipo de descuido é fatal, e o pior, não dá mais para corrigir.
Embora a maioria dos corretores ortográficos eletrônicos sejam capazes de corrigir boa parte desses erros, alguns importantes podem passar despercebidos, sem contar os erros gramaticais que esse tipo de recurso não é capaz de averiguar.
Assim, na medida do possível, faça com que tais erros fiquem de fora. Vários pares de olhos devem dar uma olhada no seu CV antes de ser enviado em definitivo. Lembre-se, uma oportunidade única pode estar sendo desprezada, em nome da pressa. Assim, perca um pouco mais de tempo, ganhe um tanto mais de qualidade.

Ninguém quer saber o que você fez desde a sua infância, pule essa parte, vá direto ao assunto.


4. Atributos Pessoais
Se assemelha ao ato de enviar uma foto em anexo, seu peso, altura, idade, raça ou religião. Essas coisas não são itens importantes para o empregador, a menos que para o exercício da função à qual se candidata, de algum modo, tais informações sejam pontos relevantes.
Sem contar que, para o empregador, é uma violação à lei de discriminação exigir e usar quaisquer desses quesitos como critério para contratação, embora alguns silenciosamente o façam, a despeito da legislação.
Inclua no seu CV informações pertinentes ao cargo, e você estará no caminho certo.

5. Detalhes Minuciosos
Recrutadores, além de não desejarem, não precisam conhecer em detalhes cada tarefa que você já realizou em sua escalada profissional. É informação demais, e normalmente, mais da metade destas não são relevantes.
Para quem tem diante de si dezenas de Currículos para examinar, perda de tempo é um luxo do qual ele não pode dispor.
Além disso, experiência pulverizada demais não é vista como qualificação, sem contar que tira pontos do candidato, ao contrário de acrescentar, como pensam alguns.
O empregador quer ver logo na primeira varredura que fará com os olhos, dentre as dezenas de impressos, se você é ou não um candidato qualificado ao cargo, e só passará a um exame mais cauteloso, se esse primeiro quesito for atendido.
Assim, dê maior destaque aos detalhes que são requisitos à vaga pretendida, omita todo resto.

6. Falsas Informações
Simples e direto, ninguém quer contratar um mentiroso. Não diga que tem 10 anos de experiência se tem apenas 2; Muito menos que é Mestre em alguma coisa quanto só tem graduação. Não diga que está trabalhando se acaba de ser demitido; não informe seu salário anterior com valores maiores do que era.
Tudo que você informar ao empregador pode ser verificado, e será, no caso de uma eventual contratação, assim, fique seguro à salvo de mentiras.
Não são raros os casos, onde a honestidade do candidato foi a razão do seu ingresso, mesmo que algumas vezes, sua qualificação fosse inferior à de outro pretendente.

Se com pouco você é capaz de explicar muito, indiretamente, significa dizer que é organizado, equilibrado, sensato e disciplinado...

7. Fontes Coloridas e Extravagantes; Visual Bizarro
A menos que seja uma exigência ao cargo, ou característica do empregador, Ninguém mais deseja ver um currículo em papel fosforescente, recheado de letras extravagantes, molduras, símbolos bizarros, com a primeira letra de cada parágrafo em caracteres Góticos ampliados, e todo resto do conteúdo com outro tipo.
Seja simples, Use uma fonte que seja de leitura fácil, tamanho legível, sem lupa, na cor preta.
Ler um currículo simples não é um sacrifício para ninguém, e é quase certo que, tendo uma aparência agradável e harmoniosa desde o princípio, seja visto até o final.

8. Informações que são Demasiadas Pessoais
Links para Web, site pessoais, como seu site de fotos, que de alguma forma retratem suas preferências mais extravagantes, ou nomes de emails estranhos devem ser deixados de fora.
Empregadores estão menos inclinados a responderem a emails do tipo: joãodopagodão@email.com.br. Prefira: joãodasilva@email.com.br.

9. Negatividade
Nunca, mas nunca mesmo, coloque qualquer coisa negativa em seu currículo. Não inclua as razões pelas quais deixou o emprego anterior. Se você saiu devido a uma redução de custos, ou se foi demitido, fale sobre isso apenas se lhe solicitado na entrevista.
Omitir informações dessa natureza não é nenhum pecado. Além disso, demissão por redução de custos é sinônimo de incompetência. Se for questionado sobre isso, diga apenas que ali não mais atendia aos seus anseios de progresso e desenvolvimento profissional.
Profissionais de RH dificilmente irão informar ao seu novo empregador as verdadeiras razões do seu afastamento, nesses casos.
Nunca escreva coisas negativas sobre sua antiga empresa, chefe ou colegas de trabalho. Não explique as lacunas de tempo, dizendo que ficou desempregado por 10 anos. Informe apenas as coisas positivas, o tempo todo.
Pondere, se você fala mal do seu antigo empregador, imagine a reação do seu novo, ao saber que no futuro, certamente, fará a mesma coisa com ele.

10. Um objetivo que é Muito Simples
Empregadores estão tentando determinar se você é adequado para sua organização, assim, cada coisa escrita no CV deve enfatizar sua experiência e qualificações.
Empregadores irão preferir ver um sumário das qualificações que enfatizem suas realizações e experiência, do que um objetivo genérico, sem informação alguma, algo como: "Exercício de cargo em tempo integral em instituição educativa." Convenhamos, isso não informa nada sobre suas habilidades.
Além disso, atualmente, na maioria das vezes, o computador lê e classifica os Currículos a partir de palavras-chaves. Assim, quanto mais o candidato for objetivo na escolha dessas palavras, e elas coincidirem com os atributos que se enquadram no perfil exigido para preenchimento do cargo, mais chances terá de ser chamado à entrevista.

#BoaSorte