terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Você qual sabe qual é o seu rótulo?

Por Alessandro Pereira

Qual é a sua marca?
Muito se fala sobre marketing pessoal, rótulos, marca pessoal no ambiente corporativo, mas o que poucos compreendem é o quanto isto é importante no ambiente corporativo, as atitudes diárias são cruciais para a construção de uma forte e positiva identidade visual, constantemente somos analisados pelo nosso comportamento, no modo de vestir, na higiene pessoal é este um dos fatores que contribuem para essa construção.
Este processo pode levar muito tempo, contudo essa marca que levou muito tempo e trabalho duro pode ser destruído em poucos minutos.
Sabendo da importância da imagem e do comportamento segue abaixo alguns pontos que devem ser evitados:
Vestimenta:
  • Rasgadas;
  • Amassadas;
  • Informais em ambiente formal;
  • Curtas demais;
  • Decotes exagerados.
OBS: mesmo que não tenha dinheiro para ter sempre roupas novas, manter ela limpa e bem passada, é sempre bem visto.
Higiene Pessoal:
  • Cabelo sempre penteado;
  • Unhas limpas e cortadas;
  • Excesso de joias, bijuterias, pulseiras;
  • Maquiagem exagerada;
  • Perfume exagerado.
Comportamento:
  • Falar alto;
  • Reclamar demais, ser uma pessoa negativa;
  • Não ser participativo, não colaborar com os demais;
  • Fofocas, intrigas e falar mal de outros colegas;
  • Celular com toques escandalosos.
Os itens citados acima podem prejudicar sua carreira e fechar muitas portas e rotular de forma negativa um profissional, mesmo sendo um profissional competente, contudo a postura de um profissional perante os demais podem construir uma marca forte e o tornar cobiçado pelo mercado de trabalho.
Abaixo segue alguns comportamentos e atitudes que podem construir uma marca forte e positiva perante o mercado.
  • Atitude;
  • Pró-atividade;
  • Curiosidade;
  • Buscar autoconhecimento;
  • Adaptáveis;
  • Empreendedores;
  • Equilibrados;
  • Trabalhar em equipe;
  • Trabalhar sobre pressão;
  • Auto motivado;
  • Organizado;
  • Pontual;
  • Compromissado;
  • Negociação;
  • Criativo / Inovador;
  • Liderança;
  • Comunicativo;
  • Ético;
  • Visão holística da empresa;
  • Saber ouvir;
  • Relacionamento interpessoal.
Agora já tem uma pequena noção do que pode prejudicar e os pontos que podem ajudar a construir uma marca forte e tornar cobiçado no mercado, faça a si mesmo duas perguntas:
  • Qual é a sua marca atual?
  • Qual a marca que deseja construir?
Espero que possa ter contribuído para o esclarecimento e o ajude a se desenvolver e ter uma perspectiva da importância do comportamento e o quanto isso pode influenciar na construção da sua marca pessoal.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Lições de ano novo

É hora de transformar seus sonhos em planejamento
É quase inevitável, em início de ano, fazermos um balanço do ano que passou e lançarmos promessas ou desejos para os meses que virão. A passagem de ano parece uma porta que se abre -- ou se fecha -- iniciando um novo ciclo, um tempo em que teremos mais sorte, em que multiplicaremos os acertos. São os meus votos para todos os leitores.
Gostaria de acrescentar a esses votos algumas palavras. Aproveite a sensação de recomeço da virada do ano, mas não acredite somente na magia do momento. Alguém já disse que se descobrir incapaz de fazer mágica é uma das primeiras grandes decepções da infância. Mas, muitas vezes, tentamos continuar acreditando nisso na vida adulta.
Podemos acreditar, assim, que muitas coisas poderão automaticamente mudar na vida ou na carreira só porque o calendário é outro. Aí, vem fevereiro, o ano já não é mais novo e pouca coisa mudou. Para evitar a mesma decepção da infância, não custa adicionar um pouco de racionalidade a nossos desejos. Do ponto de vista da carreira, isso significa planejar.
Note que planejar não é apenas fazer planos, mas construir uma estratégia para poder atingir alguns objetivos. Você pode desejar, por exemplo, ser promovido em sua organização. É um desejo legítimo, mas que precisa ser transformado em planejamento, com alguns passos:
  • Análise da sua situação pessoal (qualificações, dificuldades, resultados conseguidos).
  • Análise da situação da empresa (Em ascensão? Em dificuldades financeiras? Estagnada?), dos caminhos para crescer na organização (No mesmo departamento? Em outra área? Permanecendo na mesma função, mas com mais atribuições e maior salário?).
  • Análise dos obstáculos que se apresentarão.
Ao realizar esse levantamento, você começa a fazer com que seu plano ganhe contornos de planejamento. Com ele, poderá identificar o que precisa para ter mais chances de crescer ou para aprimorar seus pontos positivos. Poderá também tentar avaliar se a empresa em que você se encontra tem espaço para crescimento. Se a resposta for positiva, trata-se de saber por onde você pode crescer, se há espaços para ser ocupados e como chegar até lá, superando os obstáculos que possam existir. Talvez você avalie que precisa tornar-se mais conhecido pelos chefes, ou dominar mais conhecimentos e idiomas estrangeiros, ou aproximar-se de pessoas-chave na organização.
Mas essa avaliação pode revelar, também, que esse plano seja quase impossível em sua atual empresa. Seria hora, portanto, de buscar outra colocação. E para isso, mais uma vez, é necessário planejar. Pergunte-se: que empresas seriam adequadas para eu buscar uma nova colocação? Tenho competitividade no mercado? O que preciso fazer para obtê-la?
O planejamento vale para qualquer sonho, para qualquer desejo. Ele deve ser feito a partir do conhecimento da nossa capacidade, da situação em que nos encontramos, das possibilidades reais de transformação e dos caminhos possíveis.
Assim, sugiro que você use a magia da virada do ano para fazer essas avaliações, transformando os sonhos em planos de ação. É isso também que permitirá, caro leitor, que os meus votos de um tempo mais feliz se tornem realidade para todos nós.

Artigo de autoria de Simon M. Franco publicado na Edição 810 da Revista EXAME

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O que deve e o que não deve ser feito em uma entrevista de emprego

Evitar clichês e gafes comuns pode fazer com que você garanta sua vaga


Redação, Administradores.com

Numa entrevista de emprego não tem jeito: o que fica mesmo é a primeira impressão que o recrutador tem do candidato. E não se engane, pois tentar mudar esse "rótulo" inicial após um deslize é muito mais difícil. Por isso, é preciso ter vários cuidados para que detalhes não façam com que a vaga seja perdida.
Existem algumas frases clichês que deixam uma má impressão nos recrutadores – mas, para “fugir” delas, não é tão complicado assim. “Ser criativo é algo que conta muitos pontos. Porém, apenas dizer que é criativo, não. Quando a palavra é usada para se autodefinir, ela vira um adjetivo vazio” explica Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers. Nesse caso, é melhor não dizer nada – se você realmente for criativo, o seu portfólio vai deixar isso claro, sem precisar de reafirmação.
Quando – e se - perguntado sobre os trabalhos anteriores, é preciso ser claro, conciso, e dizer apenas o necessário. “Fale por quanto tempo trabalhou em cada um deles, de quais projetos participou e quais competências desenvolveu por meio deles, sem ‘encher linguiça’”, diz.
Outra atitude comum nas entrevistas é o candidato dizer que está procurando novos desafios – que nada, ele está procurando um novo emprego, o entrevistador sabe disso. “Nessas horas é melhor dizer que está interessado no trabalho e que ele vai contribuir para o seu crescimento profissional, sempre demonstrando vontade de aprender coisas novas”, exalta Madalena.
Dica – e característica - importante para quem deseja conquistar a vaga é a de antecipar os possíveis problemas que podem acontecer. “Dizer que gosta de acompanhar os processos até o fim, sem deixar nada pela metade, e comentar, por exemplo, que é você quem planeja, cobra e marca as reuniões nos trabalhos na faculdade, pode contar alguns pontos a seu favor”, comenta Madalena.

Além disso, existem algumas atitudes que devem ser tomadas durante toda e qualquer entrevista. “Usar gírias, palavras chulas e gerúndio demais podem incomodar o entrevistador, assim como pessoas que falam alto demais”, alerta Madalena.

A especialista comenta que mentir nunca é uma boa opção, e chegar ao local da entrevista ansioso pode prejudicar a seleção. “É sempre bom descobrir o que faz a ansiedade diminuir, pode ser uma música, uma leitura, uma conversa descontraída...”.

Também é importante se informar sobre a empresa em que pretende trabalhar - visite o seu site e fique atento aos tópicos "valores" e "missão" – e se portar da forma que a empresa “pede”. “Não aja de modo mais ou menos formal do que o necessário. Antes da seleção, vá até a empresa(se for possível) ou ainda observe como as pessoas que trabalham lá se comportam. É dessa forma que você deverá agir”, ressalta a especialista.

E sempre, se restar alguma dúvida, não tenha medo de perguntar como você se saiu e se cometeu algum erro que possa corrigir no futuro. Se o entrevistador der essa abertura, essa é uma atitude válida – que pode contar pontos para conquistar esse emprego, ou para um emprego futuro, já que dessa forma você fica ciente dos possíveis erros que cometeu.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Os erros mais memoráveis cometidos em currículos em 2013

Já pensou em enviar um currículo todo escrito na língua Klingon, de Star Trek? Este ano, um candidato a uma oportunidade de emprego fez exatamente isso

Por Talita Abrantes

Se os erros mais comuns no currículo já podem custar a chance de conquistar uma oportunidade profissional, imagine que efeitos pode ter uma gafe digna do recrutador se encher de vergonha alheia. No mínimo, acabar com a possibilidade de contratação. No máximo, virar referência de deslize absurdo na hora de compor o currículo.
Os exemplos que você vê a seguir foram todos presenciados por recrutadores entrevistados pelo CareerBuilder. Para chegar a esta lista, que foi divulgada pela Forbes, o site entrevistou mais de 2 mil profissionais de recrutamento e pediu para eles elencarem os 12 exemplos mais excêntricos de erros no currículo que eles viram este ano. 
O resultado? Um candidato que compôs o próprio currículo na linguagem Klingon, da franquia Star Trek, e outro que, de cara, falou mal do antigo chefe. Pois é.

As gafes mais excêntricas de 2013
1 Na área de experiência, o candidato listou a vivência como líder de um clã em um jogo online como prova de que ele tinha habilidades de liderança. 
2 O currículo consistia, basicamente, na seguinte frase: “Contrate-me. Eu sou incrível”.
3 O currículo era um vídeo musical
4 O candidato incluiu, no currículo, o tempo na cadeia por roubar o antigo chefe.
5 Todo o texto foi escrito em uma linguagem típica de mensagens pelo celular. Em outros termos, sem maiúsculas e recheado de abreviações
6 Na área de “objetivo profissional”, o candidato escreveu: “Não trabalhar para um alcóolatra com três multas por dirigir alcoolizado como meu atual chefe”.
7 O candidato esqueceu de incluir o próprio nome no currículo
8 Para mostrar como evoluiu ao longo do tempo, o candidato incluiu fotos de quando era bebê até chegar a idade adulta – no currículo.
9 Uma pessoa que tinha acabado de ser demitida se inscreveu para a vaga.
10 O currículo foi escrito na linguagem Klingon, de Star Trek
Mas não é preciso cometer um destes deslizes para ser limado, de cara, do processo de seleção. Veja os erros comuns que levam o currículo para o limbo já na primeira etapa.
Os erros comuns que desclassificam 
1 Erros tipográficos, segundo 58% dos entrevistados
2 Fazer um currículo genérico e não personalizado, segundo 36% dos entrevistados
3 Não listar suas principais habilidades, segundo 35% .
4 Copiar frases prontas do anúncio de emprego, segundo 32%
5 Enviar o currículo com um e-mail inapropriado, segundo 31%. (Exemplo: gatinha65@xxx.com)
6 Não incluir as datas exatas da experiência profissional, segundo 27%.
7 Enviar um currículo impresso em um papel decorativo, segundo 22%.
8 Adicionar uma foto ao currículo, para 13% dos entrevistados.