terça-feira, 20 de agosto de 2013

Currículo para conquistar o novo emprego

Por Carlos Prates
Em primeiro lugar, você precisa dizer ao mercado que existe e quais são as suas habilidades e competências. Para isso, será necessário utilizar todas as formas de comunicação que forem possíveis para atingir o seu objetivo: a) currículo; b) carta; c) internet; d) rede de contato, entre outras.
Incluir no currículo
- Nome, endereço e telefones no início da primeira página.
- Objetivo profissional (o cargo ou função a ocupar).
- Empresas onde trabalhou.
- Promoções, cargos e resultados obtidos.
- Cursos e seminários que participou.
- Idiomas que fala e escreve.



NÃO colocar no currículo
- Nome, endereço e telefones na última página.
- Números de documentos pessoais – CPF, Identidade, etc.
- Pretensões salariais, a não ser que a empresa solicite.
- Raça, religião e partidos políticos.
- Razões de eventuais demissões.
- Referências pessoais, a não ser que a empresa solicite. Você deve entregá-las na hora da entrevista.
- Data e assinatura.
- Erros de ortografia, nem pensar!

Modelo de currículo para Operador de Telemarketing
Mário Castro Pires (nome fictício)

29 anos, brasileiro, solteiro

Av. Princesa Isabel, 136 ap. 104
CEP - 40140214   Salvador (BA)
Telefones e e-mail para contato.

Objetivo – Operador de Telemarketing
Escolaridade – 2011 – Estudante de Administração

Experiência profissional
09/2007 a 11/2011 – Silveira Papelaria e Informática – Salvador/BA. Empresa que comercializa artigos de papelaria e de informática.

Atuei nos seguintes cargos:
- Supervisor de telemarketing (2010 / 2012)
- Operador de telemarketing (2008 / 2009)

Principais realizações:
√ Aumento na vendas dos produtos de papelaria em 6% ao ano, em média.
√ Idem, produtos de informática, em 11% ao ano, em média.
√ Auxiliei na implantação de uma moderna central de atendimento telefônico.
√ Sugeri a criação de um sistema de planejamento e controle dos nossos preços e os praticados pela concorrência.
√ Desenvolvi ações para reduzir despesas operacionais.

Cursos e seminários
- Possuo experiência em telemarketing e em vendas pela internet.
- Conhecimento básico de informática.

Importante: As vagas para operadores de telemarketing crescem em todo o Brasil e no exterior. Algumas empresas não exigem experiência profissional. Os pré-requisitos são: conhecimentos em informática; boa fluência verbal; motivação e saber relacionar com pessoas.
Vá em frente e sucesso!

terça-feira, 13 de agosto de 2013

4 atitudes que levam empreendedores à falência

Especialistas falam sobre quais comportamentos e ações são comuns em empresários que não conseguem fazer o negócio ter sucesso

Por Priscila Zuini
Três a cada dez pequenas empresas abertas não sobrevivem aos dois primeiros anos de operação. A estatística do Sebrae mostra que o ambiente empreendedor brasileiro já evoluiu, mas ainda sofre com problemas básicos de gestão. “A negação de que o negócio não esta indo bem é o primeiro problema”, diz Aloisio Bueno Buoro, professor de estratégia do Insper.
Reconhecer que seu negócio precisa de ajustes e não ignorar os problemas são os passos iniciais para que a empresa não faça parte dos casos de mortalidade. “O empreendedor não entende ou enxerga que a capacitação profissional dele como empresário é uma cosia fundamental para alavancar a empresa. Dono que não exercita a gestão e não faz planejamento pode deixar de ser dono em um período curto”, indica Reinaldo Messias, consultor do Sebrae-SP.

Com as pessoas certas por perto, é possível driblar os desafios e conseguir sucesso. “Às vezes, na ansiedade de crescer ele não dá a atenção devida principalmente a trazer pessoas para o negócio dele que contrabalancem o perfil dele na gestão”, afirma Marcos Simões, diretor de operações da Endeavor. 
1. Falta de caixa
Não é à toa que este é o primeiro item desta lista. Para todos os especialistas, a causa mortis mais comum e grave de pequenas empresas é o problema com caixa. “Qualquer negócio morre quando não tem caixa, não tem dinheiro para pagar as contas”, diz Buoro. 
Para Messias, ter um bom controle financeiro é condição essencial para o negócio dar certo. “Identifique quanto esta entrando e saindo e para onde está indo esse recurso. É uma boa dieta para evitar que o mal da falência acabe com a empresa”, afirma o consultor do Sebrae/SP.
Fazer bem o fluxo de caixa é importante principalmente no começo do negócio. “Não é ser expert em gestão de fluxo de caixa, mas trazer alguém que equilibre esse perfil”, indica Simões. 
2. Tudo em um cliente
Quando uma pequena empresa consegue um grande cliente costuma ser motivo de comemoração. Vale, no entanto, se preocupar com a quantidade de vendas que um único cliente representa. “É aquela famosa brincadeira que a gente faz com o empresário: quando dá um resfriado no grande, você vai ter uma pneumonia”, diz Messias. Organize seus clientes para não ter muitos negócios nas mãos de poucos. Se um deles desfizer o combinado, a empresa pode falir. 
3. Ego acima do lucro
Um comportamento muito centralizador e controlador pode ser muito prejudicial para a empresa. “É o comportamento do ego acima da necessidade do negócio buscar ser melhor”, diz Buoro. Para Messias, ser mais aberto e aceitar colaboração é o caminho para crescer. “O empreendedor deveria gerir as pessoas privilegiando o conhecimento que elas podem trazer de fora e despertar confiança”, indica. 
4. Demorar para reagir
Insistir nos erros é um problema que pode levar muitas empresas para o buraco. “Quando ele percebe que as coisas não estão indo bem, precisa juntar esforços dentro da própria empresa para buscar a melhor alternativa”, diz Messias. 
Neste momento, a teimosia pode ser uma verdadeira inimiga. “É importante entender que a teimosia é o nome da persistência quando dá errado. O principal que ele tem que entender são as limitações dele como empreendedor”, indica Simões. 

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Os 10 mandamentos para se dar bem na entrevista de emprego

Confira um roteiro para ter sucesso na entrevista de emprego e não deixar escapar nenhum detalhe importante durante a conversa com o recrutador

Por mais excelente e atraente que seja, não há currículo que, sozinho, conquiste uma oportunidade profissional. “A entrevista de emprego nunca deixará de existir. Ninguém fecha uma contratação sem a entrevista presencial porque, no fim das contas papel e rede social aceitam tudo”, diz Sergio Sabino, diretor de marketing do Page Group para a América Latina.
Ele conta já ter vistos casos de profissionais com bons currículos tropeçarem na hora de encarar o headhunter. “Já vi pessoas com currículos maravilhosos que, no momento da entrevista, se apequenam”, conta.
Para não correr este risco, Sabino selecionou uma série de dicas, a que chama de 10 mandamentos para serem seguidos durante todo o processo que envolve uma entrevista de emprego. Confira:
Antes da entrevista
1 Pesquise
O ponto de partida é o site da empresa. Lá você vai encontrar missão, valores e relatórios oficiais. Procure notícias sobre desempenho passado e tente descobrir planos futuros e avaliações de analistas. Se possível, verifique se algum conhecido trabalha na empresa e converse com ele. “Geralmente esta pesquisa já é feita pelos candidatos a posições executivas que chegam mais preparados e sabendo o que a empresa faz”, diz Sabino.
2 Conheça bem o seu currículo
“Muita gente fica tão focada em pesquisar a empresa que se esquece de estudar sobre si mesma”, lembra Sabino. Portanto, esteja preparado para responder perguntas sobre as passagens profissionais destacadas no currículo. “Muitas vezes o currículo está pronto há um tempo e o candidato tem um discurso ensaiado”, diz Sabino.
Pense em que a sua experiência pode agregar valor à empresa. A partir da descrição da vaga estabeleça uma relação entre a sua bagagem e o que a empresa está procurando.
3 Prepare um kit 
Certificados, referências, portfólio, tudo deve estar contigo no momento da entrevista. Assim, caso seja solicitado você não é pego de surpresa. Muito importante também é fazer uma lista de perguntas para fazer ao entrevistador. Não se acanhe. “Inibição é o pior dos mundos”, diz Sabino.
Responsabilidades, motivo da abertura da vaga, o método de avaliação do seu desempenho, a natureza da sua função em relação à estrutura do departamento, se há incentivos para treinamentos adicionais. Tudo isso deve ser esclarecido durante a conversa com o recrutador, assim como quais serão os seus clientes e quais os planos da empresa e os próximos passos.
4 Esteja para pronto para responder questões que sempre aparecem
Fale-me a seu respeito. Quais foram as suas conquistas até agora? Você está satisfeito com sua carreira até agora? Fale-me sobre uma situação difícil que tenha enfrentado.
Quem já foi em pelo menos algumas entrevistas sabe que estas são bem frequentes durante a conversa. Pontos fortes e fracos, o que você não gosta na sua função atual, qual a decisão mais difícil de tomar e o motivo por que você deseja sair da empresa também são aspectos que muitos recrutadores investigam.
“Muitos candidatos escorregam quando precisam apontar defeitos e problemas”, diz Sabino. Não tente se defender, nem acobertar a realidade. “O headhunter quer saber como ele analisa e julga problemas, o que entende por uma decisão difícil, mas muita gente opta por uma resposta evasiva com receio de se comprometer”, diz ele.
Durante a entrevista
5 Atente à postura
O fala e o recrutador entende. Tome cuidado com a linguagem corporal. Cumprimente o headhunter, sorria, mantenha a boa postura. Não se esqueça de manter contato visual.
6 Respeite a estrutura 
Assim que chegar, terá um bate-papo introdutório. Em seguida vêm as questões específicas, de sua aplicação até a sua experiência. Informações gerais sobre a empresa e a função podem vir em seguida. No final, há um espaço para a realização de perguntas.
7 Ouça as perguntas
Seja objetivo em relação às suas respostas, mas não monossilábico. “Tem gente que quer responder mais do que é perguntado, usando a pergunta como ‘gancho’ para falar de coisa boas, mas ao fazer isso acaba desviando a atenção do entrevistador”, diz Sabino.
8 Coloque as suas questões
Faça as perguntas que você elaborou antes da entrevista. Demonstre que você fez uma reflexão sobre a posição e que pesquisou a empresa. “Isso é bom porque o recrutador percebe que o candidato está com o foco na mudança e que já está com a cabeça lá dentro da empresa”, diz Sabino.
9 Mostre entusiasmo
Mesmo que haja reservas, mostre-se entusiasmado. Nas próximas etapas você poderá discutir os pontos que lhe desagradam. “Mas o melhor jeito de mostrar o entusiamo é com informações e fazendo as perguntas certas”, diz Sabino.
Depois da entrevista
10 Agradeça e coloque-se à disposição
“Não existe certo e errado, depois da entrevista porque muito vai depender da abertura que foi dada pelo headhunter”, diz Sabino. Mas uma coisa é certa. É educado e promissor agradecer a oportunidade e colocar-se à disposição.
Caso tenha sentido uma proximidade com o entrevistador, também é possível buscar um feedback a respeito do seu desempenho durante a conversa. “ Fazer o papel de relacionamento é importante, no mínimo o profissional ganhou um contato novo”, diz Sabino.