sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Quando a união entre as gerações faz a força


Diferenças de linguagem, de comportamento, de expectativa profissional e de conhecimento tecnológico entre as gerações. Já debatemos sobre esses assuntos em diversos posts aqui no Foco em Gerações… Portanto, o que as separa não é mais novidade. Mas, o que acontece quando a união faz a força entre pais e filhos ou entre chefes e funcionários?
Robert Nay, um adolescente de 14 anos que vive em Spanish Fork, Utah/EUA, é o criador do jogo gratuito “Bubble Ball”, disponibilizado desde o dia 29 de dezembro para usuários de iPhone, tendo sido “baixado” mais de 2 milhões de vezes, desbancando os populares “Angry Birds”, “Fruit Ninja” e “Talking Tom Cat”.
Mais uma vez a Geração Z ganha destaque e o guri já está na categoria profissional de “APP Designer” (desenvolvedor de aplicativos). Tornou-se “dono” da Nay Games, depois de passar uma temporada lendo sobre programação em livros emprestados de uma biblioteca pública, além de algumas horas programando um kit para desenvolvedores de software chamado Corona, da Ansca Mobile.
Contudo, vale lembrar que Robert não pode receber sozinho todos os créditos, já que teve a ajuda de sua mãe na parte de design e, algumas vezes, pensou em desistir, mas seguiu adiante, ganhando destaque na ABC News.
A troca de informações entre gerações foi fundamental para o sucesso do projeto e, ao observar essa situação, me pergunto se, no mundo corporativo, a abertura de diálogo entre funcionários novos e veteranos está “em aberto”, para a criação de idéias inovadoras.
Como funciona atualmente a “troca de figurinhas” entre gerações nas empresas no Brasil? Novas idéias são aceitas ou as propostas são arquivadas para evitar um “ajuste” no quadro de funcionários?
Cabe aos gestores capitalizar os feedbacks e abrir espaço para a discussão de idéias – ações cuja ausência é uma das maiores reclamações da nova geração. Aos novatos, vale a busca e estudo em sua área de atuação, para aprimorar opiniões e se adaptar à hierarquia das empresas.

0 comentários: