Por que sair pela porta da frente

Share on email
Share on print

Autor: Caio Lauer|

Sair pela porta da frente é fundamental

Na vida, muitas portas se abrem e se fecham. Tudo depende da maneira que agimos e reagimos perante uma situação ou convivência interpessoal. No mundo corporativo não é diferente e o bom relacionamento torna-se a base para a vinda de novas oportunidades na carreira profissional. Então, ao sair de um emprego, o indicado é manter um vínculo saudável e evitar más impressões com os ex-chefes e ex-colegas de trabalho: a famosa expressão “sair pela porta da frente”.

Mas por que é tão importante deixar uma boa aparência nas empresas das quais nos desligamos? Em um mercado competitivo, em que a rotatividade é cada vez maior, manter uma imagem positiva e vínculos saudáveis em empregos passados tornou-se prática essencial para manter-se com estabilidade no meio corporativo e constitui uma forma estratégica de sobrevivência num mercado de trabalho dinâmico e rotativo. O benefício deste comportamento é a construção de uma referência positiva da sua atuação profissional, o que é vantajoso quando se está em busca de novas oportunidades de trabalho.
Pedir o desligamento da empresa é um momento crucial para qualquer profissional por mais qualidade e confiança que tenha em seu trabalho. O colaborador sai da sua zona de conforto para novos e incertos desafios. “Se o profissional decide alçar novos voos, então deve eliminar todas as suas tarefas pendentes, agradecer pela oportunidade de ter trabalhado na empresa, apresentar fatos que contribuíram para seu crescimento profissional enquanto esteve na companhia e falar honestamente sobre os motivos que o fizeram tomar a decisão”, aponta Evânia Vieira, coaching e sócia-diretora da Fluir Desenvolvimento Social e Humano.

Como reagir

Foi demitido? O mais comum nessas horas talvez seja transferir a responsabilidade da derrota à empresa. Muitas vezes, as pessoas são dispensadas porque adotam um comportamento que não se adapta ao momento da corporação. Este comportamento pode ter várias causas, como infelicidade, desmotivação, conflito, estresse, cansaço, entre outros. “Se a pessoa é desligada da empresa, os colegas só se lembrarão desta imagem, e não do profissional feliz e eficiente que um dia existiu”, opina Vivian Maerker, consultora em Recrutamento e Seleção. De acordo com ela, ao se desligar, é importante sair sorrindo, ainda que triste, e ser humano, colocando as verdadeiras emoções para que as pessoas se lembrem da essência da pessoa”.
Relacionamentos e vínculos que desenvolvemos nas organizações, o famoso networking, fazem parte do universo corporativo. Talvez mais importante do que ter a experiência profissional comprovada em carteira de trabalho assinada, ter boas indicações e referências das pessoas com quem você trabalhou soma bastante. Quanto maior for sua rede de contatos e mais relacionamentos produtivos cultivar, maior será também a reputação adquirida com o tempo. Segundo Evânia Vieira, para desenvolver esse contato é importante participar de eventos sociais/corporativos, conversar sobre o mercado e trocar informações, fazer contato pelas redes sociais com perfil corporativo, indicações de clientes e prospects. São algumas dessas atitudes que ajudam a manter o vínculo de forma produtiva.


Aprovação do profissional

Paulo Camanducaia, engenheiro mecânico, é um exemplo de profissional que retornou à empresa que havia trabalhado anteriormente. “Sempre trabalhei em indústrias de autopeças e por maior que seja o mercado, quando for procurar uma recolocação você vai encontrar vários de seus contatos em diversas posições nas indústrias e eles se lembrarão de você. Não se iluda, o mercado é pequeno e as pessoas têm uma boa memória”, recomenda Camanducaia.
De acordo com o profissional, além de ter um bom networking e deixar portas abertas com os colegas, é recomendável avaliar uma série de fatores antes de pensar em mudar de trabalho: “Vale a pergunta ‘É mais seguro retornar a um ex-emprego onde há um bom relacionamento e confiança do que se aventurar em um novo?’”.
As companhias devem atentar-se que, atualmente, o profissional não está apenas procurando emprego, salário e benefícios, mas também a expectativa de que a empresa possa contribuir significativamente para seu crescimento pessoal e profissional.

PRÓXIMA
« Prev Post
ANTERIOR
Next Post »