Escreva sempre bem


Por Jose Jayme Junior
É consenso no meio da Engenharia que o profissional desse segmento escreve muito mal. Isso se observa na prática entre e-mails, relatórios e ofícios escritos por engenheiros, e apenas confirma o que todos dizem. Contrariando esse estigma, o meu padrasto, que é engenheiro civil e no qual tenho minha referencia profissional, prima bastante pela boa aplicação da linguagem escrita.

Nos anos em que eu estava na faculdade, meu padrasto possuía uma consultoria em Engenharia. Eu o ajudava a escrever os ofícios e documentos da empresa. Apesar do caráter filantrópico do meu trabalho, as exigências para uma perfeita aplicação das regras de um documento oficial e da Língua Portuguesa eram severas. Tais exigências se tornaram aprendizado que faço questão de usar no meu dia a dia.

Recentemente, recebemos uma proposta comercial de um vigilante que presta serviços de segurança nas proximidades de nossa residência. Meu padrasto leu atentamente o conteúdo da carta, franziu a testa e disse: “Quem escreve desse jeito, não pode ser um bom profissional”, jogando a carta sobre a mesa com desdém. Naquele momento comecei a imaginar quantas propostas comerciais, ou mesmo currículos, já foram rejeitados por um emprego equivocado da língua escrita.

Erros grosseiros de linguagem são mais comuns do que imaginamos e o pior é que muitas vezes são cometidos por profissionais de alto gabarito no organograma das empresas. A velocidade da internet apenas agrava esse problema. Transformou os antigos memorandos e circulares feitos com o maior cuidado na máquina de escrever em e-mails digitados rapidamente e, às vezes, com pouco cuidado em verificar se a mensagem está clara, objetiva e, principalmente, correta.

"Quem escreve desse jeito, não pode ser um bom profissional"

Tendo em vista que o ser humano é um animal essencialmente comunicativo, é fundamental saber se comunicar da maneira mais efetiva possível. Em qualquer área, um bom profissional é, antes de tudo, um bom comunicador. Num ambiente profissional, portanto, o uso correto da Língua Portuguesa deve ser mandatório e objeto de bastante cuidado, não sendo relegado a um segundo plano, nem justificado pelo ritmo frenético que vivemos hoje.

Devemos exercitar o bom uso de nosso idioma. Não é preciso decorar velhas regras, para isso há gramáticas e dicionários. O que se deve fazer é internalizar a maneira correta de escrever. A melhor forma de montar esse referencial é lendo. Vale ler de tudo: de embalagem de biscoito aos grandes clássicos. Qualquer leitura contribui para incentivar o cérebro a montar um repertório de palavras e linhas de raciocínio.

Quem lê mais, escreve melhor e presta mais atenção ao conteúdo que está produzindo. Muitas vezes uma simples leitura posterior do texto nos faz perceber alguns erros que não sentimos enquanto estávamos ao teclado, pois estamos nos colocando no lugar de quem vai ler a mensagem. Não é difícil. Basta empenho, dedicação e, principalmente, dar a devida importância que a nossa língua merece. Boa escrita!

Image do Post por Abandonhero

PRÓXIMA
« Prev Post
ANTERIOR
Next Post »