Você se estima?


por Patricia Wolff, autora convidada para a série “Competências”

“O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós”. Jean-Paul Sartre

A autoestima nada mais é do que aquilo que eu falo sobre mim para mim mesmo, isto é, a nossa voz interna que reflete nossos pensamentos e sentimentos sobre nós mesmos.



Nossa autoestima será boa se nos virmos com bons olhos. Mas se nos percebemos como uma pessoa inadequada, com limitadas competências, iremos gerar insegurança que se fará refletir em nosso comportamento.
Exemplos de voz interna:
  1. Nas reuniões com meus pares e chefe é melhor ficar quieto, pois minhas opiniões não ajudarão em nada.
  2. Eu tenho o direito de me expressar. Quando tiver uma opinião irei apresentá-la, pois o máximo que pode acontecer é não concordarem com ela. Não ficarei com medo das criticas dos outros.
Quem sou eu? (eu real) Quem eu acredito que sou? (eu ideal). Na diferença entre estas duas respostas podemos chegar a algumas conclusões:
  • Autoestima baixa é decorrente do sentimento de desaprovação do eu real comparado ao eu ideal.
  • Autoestima equilibrada é decorrente do sentimento de aprovação do eu real comparado ao eu ideal.
Felicidade, amor, sucesso, todas as formas de realização pessoais estão profundamente ligadas a maneira como você se percebe e avalia.

Seis pilares

O psicólogo, especialista em autoestima, Nathaniel Branden, define seis “pilares” da autoestima. Para ele a autoestima não é o sucesso em si, mas uma série de condutas virtuosas, as práticas internas, que tornam possíveis os sucessos. São eles:
  1. Consciência: prestar atenção ao que acontece, ao que se faz, sem esquecer o contexto no qual surgem os sucessos, as experiências, as ações.
  2. Aceitação: reconhecer os próprios pensamentos, emoções e ações sem se repudiar.
  3. Responsabilidade: compreender que se é o autor das próprias escolhas e ações, que se é responsável pela própria vida e bem estar. Responder conscientemente aos desafios da vida.
  4. Assertividade: ser autêntico no trato com os outros, negando-se ocultar o que se é ou avalia ser, para ganhar a aprovação. Estar preparado para defender os próprios valores e ideias.
  5. Propósito: identificar objetivos de curto e longo prazo e as ações para obtê-los. Acompanhar a implementação das ações para garantir que se mantém no caminho desejado.
  6. Integridade: ter congruência entre discurso e prática. Dizer a verdade, honrar os compromissos e exemplificar, com ações, os valores que se sustenta.
O mais importante, neste caso, é começar a separar identidade de resultados. Tarefa árdua.
Podemos influenciar algumas situações com nosso comportamento, mas há fatores incontroláveis que afetam o resultado. Além disso, quando colocamos a responsabilidade das nossas realizações no mundo externo ou no outro, e o foco no TER, corremos um sério risco de “perder” ou ficar sem no momento que mais precisar, o que poderá gerar ansiedade e insegurança.
Quando a pessoa age com integridade, faz suas escolhas baseadas em seus valores, no SER, sente-se muito mais segura, serena e sólida. Esta pessoa poderá até ter êxito (e provavelmente terá), mas se por algum motivo isso não acontecer não se definirá como um fracasso, pois terá a paz de espírito por ter agido em harmonia com seus valores. Neste momento buscará novas alternativas e seguirá em frente.
Portanto, quanto mais sua autoestima estiver vinculada a sua identidade, maior a probabilidade de ser feliz, amar e obter sucesso.

100 pontos: e então, como anda sua autoestima?

Aproveito para lançar um desafio. Que você faça uma lista, com no mínino 100 qualidades! 100 qualidades? Será que eu tenho tudo isso!? Que tal experimentar?


Participe, compartilhe suas idéias e vamos em frente sempre, rumo aos nossos objetivos, desejos e realizações, e prepare-se para ter ao seu lado a melhor companhia do mundo para esta deliciosa jornada … você mesmo!



PRÓXIMA
« Prev Post
ANTERIOR
Next Post »